1st story

Woolclopedia

A Woolclopedia é a primeira parte de uma nova história. Uma coleção inspirada na fábrica e no património que ecoam desde a Serra da Estrela. Imbuída de design contemporâneo, ora incorpora os tons e as texturas naturais da montanha, ora a parte da cor e da atmosfera cénica de produção da Burel Factory — a fábrica e o palco onde tudo acontece.

Moda é contar uma boa História.

“Moda é contar uma boa história. É poder contar sobre a herança de uma marca, de dentro para fora. Da origem, do valor e do lugar que nunca será igual ao de ninguém, pelas pessoas que lá tem dentro. Pela memória que se acumula na soma das partes, no histórico que é identidade. A noção de herança foi tudo o que absorvi ao ir trabalhar para fora e mexer em tecidos como Harris Tweed, Alexanders of Scotland e até mesmo Liberty’s. Foi aí que me apercebi e aprendi o que é isso da herança têxtil e é um património profundo. Com esse distanciamento, percebi a imensidão da nossa herança portuguesa e foi uma parte dessa mesma que aqui encontrei na Burel Factory. Poder contar essa história, que é gritante nas quatro paredes da fábrica, nos livros, nas máquinas e nas pessoas daquela montanha, é preservar e acrescentar alguma coisa. Porque o mundo talvez não precise de mais uma marca, mas precisa de mais significado.” — Filipa Homem, Designer e Directora Criativa

Edição Limitada 1/100

A coleção é limitada a 100 unidades por referência e todos os seus desperdícios de produção são reciclados e reaproveitados. Um caminho verdadeiramente sustentável apoiado na produção lenta, nos processos e certificações sustentáveis, alinhada com os melhores parceiros da indústria têxtil para legar mais significado às peças que tecemos. Uma edição consciente do início ao fim, do corte ao acabamento.

Feita de mais Mãos que Máquinas.

Ainda que usando teares de uma outra era, o processo da Burel Factory é parcialmente feito à mão seguindo saberes artesanais e processos ancestrais de tecelagem — desde o tempo em que a indústria era feita à mão, a produção de tecido é conduzida por máquinas do século XIX que conferem maior autenticidade e qualidade de acabamento. Não acreditamos numa produção em massa: são antes muitas mãos a fazer esta fábrica funcionar. Mais mãos do que máquinas, mais locais e gerações familiares do que nunca - até mesmo tecelões reformados que continuam a alimentar as novas gerações com a sua mestria.

Sem Tempo. Sem Estação.

Novos ícones. Um conjunto de peças feitas para durar, inspiradas no arquivo têxtil e nos processos manuais que se recolhem na Burel Factory. Uma coleção onde os padrões de produção de tecido foram desafiados e elevados. Testaram-se novas gramagens de burel, que resultaram nesta abordagem intemporal e pronta para ser usada o ano inteiro.